Ameaçados

Os morcegos são de uma importância vital para o nosso ambiente e bem-estar, ajudando a manter a biodiversidade e o funcionamento dos ecossistemas em todo mundo. No entanto, mais de um quinto de todas as espécies de morcegos encontra-se ameaçada.

Em Portugal continental, 9 espécies possuem um estatuto de ameaça de acordo com o Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (2005). 


Atualmente, 36% das espécies de morcegos que existem em Portugal continental estão classificadas como ameaçadas. Os morcegos cavernícolas são os que apresentam uma situação mais preocupante já que todas as espécies ameaçadas utilizam as grutas como abrigo, pelo menos durante uma parte do ano. A maioria das espécies cavernícolas é altamente colonial e são poucos os abrigos que apresentam as características microclimáticas necessárias para o estabelecimento de uma colónia, tornando-os particularmente sensíveis à perturbação dos abrigos, principalmente durante as épocas de maternidade e hibernação. A consequente concentração de colónias de algumas espécies numa quantidade reduzida de abrigos aumenta ainda mais a sua vulnerabilidade.

Existem várias causas para o declínio observado em muitas espécies de morcegos, tais como a destruição e perturbação dos abrigos, a alteração ou perda de habitat, o uso excessivo de pesticidas, a mortalidade causada por atropelamento e por aerogeradores e, pese embora os vários programas de conservação, a má imagem dos morcegos pelo Homem, associada a mitos e superstições, promoveu a perseguição direta a este grupo.